SEU FILHO SABE QUE É AMADO? SERÁ?

1

“Não é suficiente que os pais amem a criança. A pergunta é: Ela se sente amada?”

Quantas vezes já não escutamos: “Meu pai ama muito mais meu irmão do que a mim!” Na maioria dos casos, os pais amam os filhos com a mesma intensidade, mas sem perceber, acabam expressando a linguagem de amor de um dos filhos com mais frequência do que a do outro. Vamos entender isso.

Nos meus infindáveis estudos sobre criação de filhos, família e relacionamentos, encontrei um ótimo escritor, antropólogo e psicólogo de família: Gary Chapmann. Uma das coisas mais importantes que aprendi com ele, foi que o ser humano utiliza 5 linguagens para entender e expressar o amor. Estas 5 linguagens são: toque físico, atos de serviço, palavras de afirmação, presentes e tempo de qualidade. Todo ser humano, inclusive as crianças, possui uma linguagem principal e uma secundária. O segredo, é descobrir a linguagem principal do seu filho para conseguir expressar seu amor de uma forma que ele entenda.

Outra coisa legal que decobri através do escritor e psiquiatra Ross Campbell, foi que o ser humano possui um “tanque emocional” que é abastecido através das expressões de amor que recebemos. Se expressarmos o nosso amor da maneira correta, nossos filhos (ou cônjuges), ficarão com os seus tanques emocionais sempre cheios. Uma criança com o tanque emocional cheio, costuma ser muito mais segura e maleável quanto a educação e disciplina, pois terá a certeza absoluta do amor que seus pais sentem por ela. Gosto muito desta frase: “Nenhum padrão de educação será eficiente se a criança não se sentir amada pelos pais. Em contrapartida, se a criança se sentir amada, até mesmo as tentativas ruins de ensinar e treinar, poderão produzir um adulto saudável.”

A seguir, vou descrever cada uma das linguagens do amor, além de citar alguns exemplos, e no final, explicarei como descobrir a principal linguagem do amor de seus filhos. Leia até o final, não será um tempo perdido, prometo que valerá a pena, principalmente se for colocado em prática!

Toque Físico: a pessoa que tem essa linguagem como principal, se sente amada quando é tocada de alguma forma: abraço, carinho, beijo, cafuné ou apenas um simples toque. O ser humano necessita de toque naturalmente, mas a pessoa que possui essa linguagem, precisará de muito mais. O autor do livro conta, que descobriu que esta era a principal linguagem do seu filho quando ele tinha 4 anos, pois sempre que chegava do serviço, a primeira coisa que fazia era pular em seu colo e bagunçar todo o seu cabelo. Ele conta que até hoje seu filho (já casado) costuma tocar as pessoas que ama quando passam por ele. Se ao final do texto você descobrir que essa é a linguagem de seu filho, prepare-se para distribuir muitos carinhos, assim, o tanque emocional dele estará sempre cheio! Ah, a maneira de dar esse toque deverá ser modificado à medida que a criança cresce. É bem provável que um adolescente que possui esta linguagem como a principal, sinta-se envergonhado ao ser tocado na frente dos amigos, mas tenha certeza que ele clamará por isso dentro de casa!

Atos de Serviço:
nesta linguagem, a pessoa se sente amada quando percebe que alguém prestou algum serviço à ela. No caso das crianças, dobrar uma roupa, preparar seu prato predileto, cortar uma fruta, fornecer transporte ou ajudar no dever de casa, serão entendidas como expressões de amor. Existem infinitas possibilidades. Mas não pense que terá que se tornar escrava de seu filho para que ele se sinta amado, não é isso. Assim como nos outros casos, algumas pequenas atitudes no decorrer do dia bastam.

Palavras de Afirmação: prepare-se para elogiar bastante seu filho, caso essa seja a sua principal linguagem do amor. Aqui vão algumas sugestões: “Sabia que eu te acho lindo?”, “Você fica tão bem com essa roupa!”, “Seu dever de casa ficou ótimo, sinto muito orgulho de você!”, “Você é um dos melhores jogadores da sua equipe, te admiro muito!”, “Parabéns, sua letra está linda”, “Amo você”. Enfim, é só usar a sua criatividade! Essas expressões de afirmação são importantes na comunicação de amor a todas as crianças, mas para aquela cuja a linguagem principal são palavras de afirmação, consistem na fonte de sua vitalidade emocional!

Presentes: alguém poderia dizer: “Mas quem não gosta de ganhar presentes?” Todo ser humano gosta, pelo menos os normais…. Mas existe uma grande diferença entre “gostar” e “se sentir amado” ao ganhar um presente. Se esta for a linguagem de seu filho, não se desespere, ele não vai te levar a falência! Como diz um personagem de um desenho: “presentes não precisam ser comprados em uma loja, presentes podem vir em forma de canções ou flores.” Se você tiver condições, de vez enquando compre uma lembrancinha para seu filho, mas não sempre, pois isso poderá torná-lo materialista. Nos outros dias, seja criativo: deixe um bilhete, faça um desenho, grave uma música, dê um passeio no parque, um sorvete… Existem inúmeras possibilidades! Descobri à pouco tempo que esta é uma das principais linguagens do amor da minha filha mais velha, e esses dias, dei à ela um bilhetinho cheio de corações, com 2 carinhas que representavam nós duas e escrevi: Raquel, te amo! Pronto, foi o bastante! Ela dormiu com o bilhete embaixo do travesseiro e anda com ele pra todo lado!

Tempo de qualidade: Talvez esta seja uma das mais difíceis de expressar, pois nos dias de hoje, andamos sempre muito “ocupados”, mas com esforço e criatividade, pode ter certeza que conseguirá. Este tempo deverá ser gasto lendo livros, andando juntos de bicicleta, caminhando ou simplesmente conversando à caminho de algum lugar. Esta é outra principal linguagem da minha filha. Ela se realiza quando damos atenção exclusiva à ela, seja brincando, lendo um livro ou assistindo um desenho. O segredo nesta linguagem, é fazer com que seu filho perceba que naquele momento você não está pensando em mais nada, apenas nele.

Como descobrir a linguagem de amor dos seus filhos?

Gary Chapman nos dá 3 sugestões:

1 – Observe a forma dele expressarem amor à você. Se seu filho costuma te elogiar com frequência, é bem provável que palavras de afirmação seja a sua prncipal linguagem. Se sua filha está sempre lhe trazendo presentes que ela mesma criou, embrulhou ou encontrou no jardim, é um belo sinal. Mas se ela gosta de te abraçar e beijar, quem sabe não seja o toque físico? Se ela sempre quer ajudá-la com os trabalhos de casa, então é possível que atos de serviço seja sua linguagem do amor. Seus filhos estão lhe dando algo que eles mesmos gostam de receber. A Raquel por exemplo, vive nos enchendo de desenhos, além de adorar pegar coisas suas para dar aos amiguinhos!

2 – O que eles mais pedem. “Mamãe, brinca comigo?”, “Você me traz um presente quando voltar? “, “Por favor, posso te ajudar a lavar a louça ou passar aspirador?”, “Mamãe, como me saí?”. São frases comuns, mas nos passam uma importante mensagem! Uma das coisas que mais escuto da Raquel é: “Mamãe, brinca comigo?”. Ainda não tenho certeza, mas creio que a principal linguagem de amor do André é o toque. Ele ainda não fala direito, mas adora um carinho, sentar no colo e encostar a cabecinha. É a forma que ele tem de nos comunicar a sua principal linguagem.

3 – Ouça as reclamações mais comuns de seus filhos. Os filhos fazem mais críticas relacionadas à àrea da vida que se encontra ligada a sua linguagem do amor. Se eles o criticam porque não brincam com eles, ou porque não elogiaram sua performance no futebol ou por nunca lhe trazerem presentes, cada uma dessas frases é uma indicação da sua linguagem do amor primária.

Assim que estiver falando a linguagem primária e secundária de seus filhos, espalhe as outras 3 pelo caminho, você ganhará pontos extras com ele! Mas não ouse negligenciar as principais linguagens! Ah, e não esqueça que tudo isso se aplica a todos os seus relacionamentos, principalmente o conjugal! Fique firme e você verá uma mudança drástica no seus relacionamentos e na educação de seus filhos. Veja o depoimento de uma esposa:

“O relacionamento entre meu marido e eu estava ficando cada vez mais frio. Nós nos sentíamos distantes e os conflitos aconteciam com mais frequência. Ao ler o livro “As Cinco Linguagens do Amor”, descobri que não falava a primeira linguagem do amor do meu marido há anos! Sugeri que ele lesse o livro junto comigo e ele passou semanas sem se interessar. Fiquei desapontada, mas decidi que colocaria em prática o que estava aprendendo. Comecei a expressar a principal linguagem do amor dele. Sua atitude geral para comigo começou a mudar. Ele perguntou porque eu estava tão diferente e eu disse que era por causa do livro. Ele resolveu ler o livro e nós conversamos muito sobre o que lemos. Ele reconheceu que também não estava falando a minha linguagem e na semana seguinte, vi uma drástica mudança em suas atitudes para comigo. Agora, nó dois estamos com o tanque emocional cheio e nosso casamento nunca esteve tão bom!”

Uma das minhas principais linguagem do amor é “atos de serviço” e a do Felipe é o “toque físico”e “palavras de afirmação”. Pra mim, é muito difícil expressar as linguagens dele, pois eu não tenho essas como as minhas principais, mas eu me esforço. De vez enquando eu digo: “Te amo muito”, “Obrigada por fazer isso”, “Agradeço a Deus por você ser uma pai tão bom!”. Mas às vezes quando esqueço, ele mesmo me pede: “Você pode me fazer um cafuné?”. Já o Felipe, está craque em falar a minha linguagem! Ele me ajuda em tudo com as crianças e as tarefas de casa. Meu tanque emocional fica sempre transbordante. Esses dias mesmo, ao sair cedo para trabalhar, ele percebeu que não tinha pão em casa. Ao invés de deixar pra lá, já que estávamos dormindo mesmo, ele foi até a padaria, comprou pão francês (o meu predileto) e trouxe pra nós. Deixou em cima da mesa e foi embora… Percebi que foi um esforço pra ele, mas fez porque nos ama.

Espero que esse texto te inspire para um novo recomeço!

Share.

About Author

Daniela Marques é escritora, esposa e mãe de dois. Formada em Design de Interiores e graduanda em Psicologia. Edita e desenvolve conteúdo para os blogs 'Salve Meu Casamento' e 'Educando na Contramão'. Autora dos livros O coração vermelho, Tem princesa que..., Iguais e diferentes e Quando nasce um coração. Ama o que faz! Conheça também suas obras infantis em: Facebook/DaniMarquesEscritora e @danimarques_escritora

  • Texto excelente e esclarecedor. Eu não sou mãe, somente tia, mas me preocupo muito como os meus sobrinhos, p/ tentar ajudá-los a expressar o que sentem e tb entendê-los. Me ajudou muito, obrigada.