QUANTO CUSTA O OUTFIT

1

Recebi essa semana um vídeo a respeito de um fenômeno do momento. Já ouviu falar num esqueminha chamado “Quanto custa o outfit?”. Caso não, sugiro que clique no link e assista antes de continuar lendo. Vai lá! Toma um remedinho pra enjoou, senta, assiste e depois volte aqui.

Pois bem, assisti esse vídeo mais de uma vez. Acho que umas cinco, talvez. Depois assisti alguns outros. Aí fiquei pensando e tentando assimilar. Sabe quando o negócio é tão, mas tão surreal que você custa a acreditar? Pois é, foi assim. Mas sabe, toda vez que algo me choca, indigna ou entristece, costumo primeiro olhar pra dentro de mim. Sempre faço o exercício de observar se a questão, na verdade, não é comigo: Será que estou sendo preconceituosa? Por que isso me choca? Por que fiquei tão mexida?

E então passei um ou dois dias nessa conversação interna. Dani, eu e eu mesma: Ei menina, por que isso te chocou tanto? Por que um vídeo de jovens e crianças ostentando tênis de R$ 6.000,00, cintos de R$ 1.500,00, correntinhas de R$ 8.000,00 e meias de R$ 500,00 teve o poder de te abalar dessa forma? Por que foi difícil digerir uma galerinha mostrando pra sociedade um look do dia que vale mais do que o seu carro?

Aí pensei: Será que é porque eu gostaria de estar no lugar deles e ter dinheiro sobrando pra comprar um relógio de R$ 30.000,00? E não demorou muito para perceber que na verdade não era isso. Eu, definitivamente, se tivesse muita grana, gastaria com outras coisas…Roupas e acessórios estariam no final da lista, certeza! Bom, se não é isso, então o que é? Será que senti raiva por perceber que o dinheiro que ralamos um ano inteirinho pra ganhar, o jovenzinho estava usando em um dia na baladinha? Aí cheguei a conclusão que também não era esse o cerne do problema. Se a pessoa trabalhou (ou no caso deles, os pais) e ganhou um dinheiro honesto (sim, porque quero partir do pressuposto que esse dinheiro é honesto), ela tem o direito de fazer o que bem entende com ele, inclusive comprar uma pochete de R$ 2.000,00!

E depois de muito matutar, assistir vídeos, ler depoimentos e conversar com pessoas, consegui chegar ao motivo real da minha indignação. E é só por esse motivo que estou hoje aqui. Gastar R$ 40.000,00 num look pra usar na baladinha é algo que considero surreal, mas como já disse, cada um faz o que bem entende com o dinheiro que ganha. Apesar de ter a certeza que eu jamais pagaria R$ 3.000,00 num tênis, mesmo se fosse rica, o que os outros fazem não é problema meu.

O que ficou entalado na garganta, na verdade, foi ver o que estes jovens (e pais destes jovens) estão fazendo com a nossa sociedade. E isso sim é problema meu. É problema meu porque no mês passado, uma garotinha desmaiou de fome na escola onde faço serviço voluntário. É problema meu porque milhões de pessoas morrem de fome todos os dias! E, ao meu ver, o ato de ostentar é um desrespeito sem tamanho com essas vidas. E como parte desta sociedade (da humanidade, na verdade) não posso  me silenciar.

Que mensagem medonha estão transmitindo através desses vídeos para um público já tão adoecido! Faço uma analogia: Imagine uma pessoa com câncer. Aí vem alguém e injeta um líquido multiplicador de células cancerígenas, fazendo a doença se alastrar por todo corpo. Pois bem, é exatamente isso que essa modinha está fazendo. Piorando um câncer que já vem há décadas corroendo a nossa sociedade. Enfiando na cabeça das nossas crianças e jovens que o seu valor está no preço que se veste. Que quanto mais caro for o seu estilo, mas valor e poder você terá!

E como cidadã me sinto na obrigação de me manifestar e dizer aos pais, crianças e jovens que me leem que isso é uma grande MENTIRA! Uma mentira apodrecida! Uma mentira que destrutiva e decadente! Uma mentira capaz de ceifar vidas e destruir sociedades!

Quando busco uma explicação, sempre penso primeiro no objetivo final. E dessa vez não foi diferente. Luto, trabalho e sonho por uma sociedade equilibrada, justa, que visa o bem comum, com educação, saúde e segurança de qualidade e, definitivamente, a mensagem que esse novo fenômeno traz às nossas crianças e jovens não colabora em NADA com isso. Muito pelo contrário, luta contra!

Estamos vivendo um tempo onde a redes sociais e mídias tem uma influência gigantesca sobre a geração que está se formando. Muito pais trabalhando fora, crianças e jovens passeando livremente pela internet, pouca supervisão e mediação do que se assiste. E estamos cansados de saber que a infância e adolescência são fases importantíssimas, que merecem todo o cuidado do mundo! Fases onde valores são inseridos, caráter moldado, áreas cognitivas desenvolvidas…. E, de repente, essa criança ou esse jovem – solto pelas redes – chega aos vídeos da tal modinha. E o que temos? Uma geração inteira aprendendo que o seu valor está naquilo que se veste. E, sabe, é tão, tão, tão fácil acreditar nessa falsa verdade quando somos crianças e jovens!

E, por outro lado, é tão, tão, tão trabalhoso ensinar que tudo o que é externo passa; Que as coisas que realmente tem valor e permanecem são aquelas que muitas vezes não podemos enxergar, como o afeto, o amor ou uma história de vida bem construída; Que pra se ganhar dinheiro honesto é preciso muito suor, trabalho e perseverança; Que a roupa se vai e as relações profundas ficam; Que se existe vazio lá dentro, o ser humano busca preenche-lo no externo (drogas, bebidas, jogatina, ostentação…).

Por isso cá estou. Deixo nesse espaço a minha manifestação. Assisto esses vídeos e o que vejo é um buraco profundo… Cascas de ouro cobrindo um grande vazio. Uma geração adoecida. Triste! Há esperança? Se não acreditasse nisso não estaria aqui. Acredito em você que me leu até o fim. Acredito que me ajudará a levar essa mensagem adiante. Quando custa o Outfit? Não se coloca preço naquilo que realmente tem valor nessa vida: dignidade, honestidade, solidariedade, amor, verdade, afeto… É disso que acordo e me visto todos os dias. Minha roupa? Apenas um detalhe…

 

Share.

About Author

Daniela Marques é escritora, esposa e mãe de dois. Edita e desenvolve conteúdo para os blogs 'Salve Meu Casamento' e 'Educando na Contramão'. Idealizadora do Projeto Infantil 'O Coração Vermelho', que conta com um livro de sua autoria. Formada em Design de Interiores e graduanda em Psicologia. Ama o que faz! Conheça também suas obras infantis em: Facebook/DaniMarquesEscritora

  • Juliana lima bravo

    Amei…tbm penso assim. O único que nos preenche verdadeiramente é Deus!